Início / Estudos Biblícos / Espíritos Territoriais – deuses e demônios

Espíritos Territoriais – deuses e demônios

Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (Efésios 6:12)

Paulo está aqui se referindo a “principados”, a “potestades” e a “hostes espirituais do mal”. De acordo com o Dicionário, “principado é um território governado por um príncipe”. Paulo está aqui se referindo a uma hierarquia espiritual, com “príncipes” demoníacos atuando sobre determinadas regiões nas quais atuam como “governantes”. Este “principado” é um espírito maligno que tem autoridade sobre algum povo, reino, nação, ou qualquer outra localidade (ex: cidade, estado, etc). São enviados da parte do próprio Satanás a fim de influenciarem determinada região, a qual estará sobre a sua influência.

Efésios-6

Ora, Satanás irá influenciar o que? Evidentemente, ao pecado, ao desvio de caráter, à rebelião contra Deus, por exemplo, quando Daniel menciona o “príncipe [principado] do reino da Pérsia” (Dn.10:13), que pelo contexto trata-se de um demônio na hierarquia de “principado” que atuava sobre a região da Pérsia. Nos tempos antigos (e, na verdade, até hoje) cada nação pagã tinha o seu próprio “deus” ou “deuses”. Paulo explica que estes deuses são, na realidade, espíritos malignos (1Co.10:20).

O Antigo Testamento nos revela que os sidônios adoravam a Astarote, os moabitas adoravam a Camos, os amonitas adoravam a Moloque, e assim por diante com os demais povos pagãos da época (ver 1Reis 11:33). Atualmente, veem-se religiões com inúmeros destes “deuses” (demônios) atuando sobre falsos sistemas religiosos, com nomes diferentes, por meio de um sincretismo religioso com as religiões pagãs e politeístas. Um grande exemplo disso diz respeito ao paganismo católico romano com o sincretismo elaborado à época do imperador romano Constantino, ao unir o paganismo romano com a religião cristã. O panteão de “deuses” pagãos transformou-se em “santos padroeiros” de cada cidade.

O sistema religioso pagão romano tinha deuses para cada região geográfica, e esses deuses foram apenas substituídos por “santos”, mantendo-se, contudo, os mesmos espíritos malignos que atuavam por detrás daqueles deuses, pois a essência do paganismo romano e daquele povo não poderia ser assim tirada do dia para a noite.

O resultado disso é que vemos, até hoje, milhares de “deuses” ou “santos” nos principais sistemas religiosos, que nada mais são do que demônios (principados) que tem o domínio sobre aquela área, para entendermos como  Satanás atua ordenando grupos de principados e potestades que tem por função exercerem domínio sobre determinada área geográfica ou sistema religioso. Isso explica o porquê de Satanás ter mais influência em uma região a tal ponto dela ser considerada o “trono” dele:

“Ao anjo da igreja em Pérgamo escreva: Estas são as palavras daquele que tem a espada afiada de dois gumes. Sei onde você vive, onde está o trono de Satanás. Contudo, você permanece fiel ao meu nome e não renunciou à sua fé em mim, nem mesmo quando Antipas, minha fiel testemunha, foi morto nessa cidade, onde Satanás habita” (Apocalipse 2:12,13)

Historicamente, esta cidade (Pérgamo) era o centro oficial na Ásia da adoração ao imperador romano. Esse culto a Satanás, por ser tão forte, lhe concedia tamanha influência sobre aquela determinada região a tal ponto dela ser considerado o local onde o próprio Satanás habitava. Aquela região com certeza teria uma influência satânica muito maior do que os outros lugares, por ser o local onde estava o próprio “trono de Satanás”. Decerto os principados e potestades que governavam aquela região possuíam um domínio e autoridade muito grande sobre aquele lugar – muito maior do que o domínio que possuíam em outras regiões.

A influência satânica é algo relativo à autoridade que ele possui em determinado local, por exemplo um cristão da Palestina certamente sentiria as tentações, perseguições e provações muito mais a “flor da pele” em Pérgamo do que sentiria naturalmente. Os locais onde possuem maior influência demoníaca costumam serem os locais onde é maior o número de pecado em todos os sentidos: imoralidade sexual, falta de domínio próprio e agressividade, lascívia, desvio de conduta, orgias e bebedeiras, enfim, tudo o que é tipo de mal. E se o cristão não estiver preparado devidamente é capaz de cair também.

Em Pérgamo, por exemplo, foi o local onde ocorreu o primeiro martírio de um cristão na Ásia, chamado Antipas, que foi assado lentamente até morrer num caldeirão de bronze, durante o reinado de Domiciano (imperador romano da época). O exemplo de Pérgamo e sua grande influência demoníaca lá exercida pelos principados demoníacos serve também para os dias de hoje, em todas as situações. Vemos que alguns locais são pontos de atuação muito mais fortes e propícios para o pecado. Locais tais como showns mundanos, baladas, ou festas do mundo possuem uma influência satânica muito mais forte do que seria naturalmente.

“Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar” (1 Pedro 5:8)

Uma boa explicação para isso baseia-se no fato de que estes lugares são sempre locais onde a imoralidade é grande, a carne é fortemente alimentada, as pessoas não estão nem um pouco preocupadas com Deus, mas sim em agradar a carne por meio de inúmeras práticas antibiblicas e anticristãs que vão contra a Palavra. O próprio carnaval (que significa literalmente: “festa da carne”) é uma das maiores obras do diabo e cultualização a ele.

Estes locais ou este tipo de “festas da carne” devem ser completamente deixados por qualquer um que queira ser um cristão verdadeiro, pois a influência maligna torna-se maior e a carne torna-se muito mais operante em tais circunstâncias. A Bíblia nos admoesta para estarmos vigilantes:

“O que lhes digo, digo a todos: Vigiem!” (Marcos 13:37)

Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Marcos 14:38)

O que nós devemos fazer é usar todas as armaduras que Deus nos tem a conceder, isto é, “cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; e calçados os pés na preparação do evangelho da paz; tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno; também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos” (Ef.6:14-18).

As armas que ele alista para a batalha são: honestidade, justiça, testemunho, segurança da salvação, fé em Deus, domínio das Escrituras e a oração por todos os santos (oração intercessória). Podemos também adicionar a isso outros importantes conceitos bíblicos tais como: ir à casa do Senhor, jejuar, louvar e adorar a Deus, etc.

Se praticarmos o evangelho e não sermos apenas meros ouvintes da Palavra, poderemos ganhar qualquer luta ou batalha espiritual, ainda que em um cenário em que o diabo “impera”.

Semelhantemente, em Northampton (Massachusetts), um monumento assevera que lá Jonathan Edwards encontrou o diabo e o venceu. Na Irlanda, Patrício encontrou as feiticeiras druidas, e os celtas reconheceram o poder de Deus como superior. A História relata que após esses dois eventos multidões voltaram-se para Jesus Cristo. Estes homens dedicavam tempo considerável a Deus, e venceram pela força do Senhor os principados e potestades demoníacos que atuavam com grande influência sobre essas regiões. Eles foram devidamente equipados para a guerra! O mais importante aqui a ressaltar é que:

  1. Existem espíritos malignos territoriais que atuam sobre regiões geográficas diferentes, sobre sistemas religiosos falsos e sobre lugares que dão liberdade de atuação à carne agir livremente;
  2. Estes principados satânicos tem maior influência em determinadas regiões em relação a outras;
  3. Por isso, devemos notar que existem certos locais (ou até mesmo músicas ou jogos) que incitam a carne e dão mais vontade ao pecado. Devemos evitar ao máximo ouvir este tipo de música ou jogos, bem como deixar de ir a estes locais (festas ou shows MUNDANOS, baladas, carnaval, etc) onde a carne é ainda mais instigada e o pecado é estimulado. A consequência disso é maior fraqueza relativa à carne e consequente apagamento do Espírito;
  4. Devemos VIGIAR especialmente nestas circunstâncias ou lugares onde a carne é estimulada, a fim de que não caiamos em tentação. Devemos estar preparados com toda a armadura de Deus, sem buscar ocasião ao pecado, mas fugir dele.

As impurezas do nosso íntimo florescerão quando estamos em locais que festejam a carne e cultuam o diabo (ainda que indiretamente) ou em locais territorialmente controlados por principados ou potestades. Por isso, “digo a todos: Vigiem!” (Mc.13:37), pois o diabo “anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar” (1Pe.5:8).

“Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (Efésios 6:12) Paulo está aqui se referindo a “principados”, a “potestades” e a “hostes espirituais do mal”. De acordo com o Dicionário, “principado é um território governado por um príncipe”. Paulo está aqui se referindo a uma hierarquia espiritual, com “príncipes” demoníacos atuando sobre determinadas regiões nas quais atuam como “governantes”. Este “principado” é um espírito maligno que tem autoridade sobre algum povo, reino, nação,…

Participe com sua Avaliação

Avaliação Geral: 19.7 ( 41 votos)
0

Ajude a propagar as boas novas do evangelho em suas Redes Sociais

Sobre a Equipe Biblianaweb

2 Comentários

  1. Denilza Barbosa

    verdade senhor preciso de ti pr viver nesta terra!!!

Participe, deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. | Os campos marcados com * são obrigatórios.

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>